Funcionamento do Sistema Solar

Olá! Meu nome é Marcos Leite, eu sou da Reserva Solar e irei publicar uma série de textos mostrando diversos aspectos do sistema solar fotovoltaico.

Hoje eu vou falar sobre: O funcionamento do sistema solar fotovoltaico.

Todo o sistema é muito simples e é composto por:

Módulos, que produzem em média na região de Campinas, 40 kWh ao mês. Eles são feitos de células de silício que produzem uma reação química quando recebem a luz do sol e geram energia contínua. São ligados um, no outro para gerarem a potência necessária. A parte de cima é de vidro, porém, ele é muito resistente, passando por testes duríssimos de temperatura, impacto e corrosão.

É errado falar que o calor gera energia. Inclusive o excesso de calor, como temperatura acima dos 40 graus, diminui a geração.

Inversor, que transforma corrente contínua em corrente alternada, a mesma que utilizamos no nosso dia a dia. O sistema pode contar com um ou vários inversores. Dependendo do projeto.
Boa parte dos inversores tem a proteção IP 65, o que permite eles ficarem expostos ao tempo, mas sempre que dá aconselhamos colocá-lo em local protegido.

Sistema de proteção com DPS (dispositivo de proteção contra surto) tanto na parte de corrente contínua, como alternada.
Este dispositivo serve para proteger o sistema contra indução de raios.

Todo sistema é aterrado.
Os módulos são todos conectados e aterrados, como também o(s) inversor(es).

Os cabos fazem a conexão com todos os módulos, passam pelas proteções (corrente contínua) e vão até o inversor.
De lá passam por outra proteção (corrente alternada) e vão para a caixa de fusíveis do imóvel.

A ligação é feita com um, dois ou três disjuntores (dependendo do tipo do inversor) ligados no quadro geral do imóvel ou diretamente na rede.
É como se fosse a ligação de um ar condicionado, só que ao invés da energia circular da rua para o equipamento, a energia entra no quadro, vai para onde está sendo necessária e o excedente vai para a rua, passando pelo relógio medidor que a distribuidora é obrigada a trocar para marcar tanto a energia gerada como a consumida.

A energia gerada e não consumida será creditada em uma conta-corrente junto a distribuidora. Ela poderá ser utilizada em até 60 meses. Após este período, mês a mês, o valor não utilizado sai da conta.
É importante fazer um projeto que contemple o consumo durante todo o ano, pois, a geração de energia é menor durante o inverno e o saldo sempre será utilizado neste período.

Curta nossa página no Facebook e fique por dentro desta tendência que veio pra ficar.

Até a próxima !!



Deixe uma resposta